Pague c/ boleto ou em até 12x no cartão / Frete Grátis para comprinhas acima de R$ 250 🚚

Carrinho Fechar

Ver Opções

Safada Madrinha

conto erótico lésbico sexo com fadas floresta encantada

Conto Erótico - SaFada Madrinha

Prefere ouvir? 👩🏻‍🎤 Não tem problema, clique play 👇 e ouça o conto erótico narrado por nós.

Olá meus amores, hoje eu vim aqui compartilhar uma experiência maravilhosa que tive algumas semanas atrás, foi algo tão surreal que a princípio eu não quis falar sobre, más isso não sai da minha cabeça, então decidi fazer um testemunho desse orgasmo místico. Enfim, o que aconteceu foi o seguinte. Fui visitar meu melhor amigo nos Estados Unidos. Ele mora em Oregon Portland, ele é casado com um “estado-unidense” (falo estado unidense mesmo, americano é meu grelo, America é um continente, não um País, falem com meu advogado), e chegando lá foi muita ferveção, meu amigo Derek e eu temos uma sintonia incrível, vocês já assistiram Will & Grace ? A série de comédia sobre dois melhores amigos, um homem gay e uma mulher, eles são tão ligados que completam as frases do outro e leem seus pensamentos, pois então, essa é a relação que eu tenho com ele. Após muita ferveção, o marido dele sugeriu irmos a um festival tradicional de caça aos cogumelos, disse que seria legal, que seria um rolê diferente, que havia passeios específicos para isso, olhei para o meu amigo e disse:

- Nossa bicha, caçar cogumelos ? Que baixaria é essa ?

- Não sei bicha, más vamos né, deve ser legal, um rolêzinho exótico.

Pois muito que bem, fizemos nossas malinhas, nos inscrevemos no grupo dos caçadores de cogumelo e acordamos cedo para nos encontrarmos em uma floresta fora da cidade, após algum tempo dirigindo lá chegamos no ponto inicial do encontro, um cara começou a explicar o roteiro e em seguida nos deu um livrinho com fotos de cogumelos, a meta era encontrar o máximo de cogumelos possíveis e ir ticando os achados. Eu sinceramente queria estar morta com aquilo tudo, más certamente estar com meu melhor amigo valia a pena, e certamente faríamos daquela experiência algo mega engraçado de se contar. Iniciou-se então a caça aos cogumelos e os grupinhos foram se separando e lá fomos nós, eu, meu amigo e o marido dele. O marido dele estava MEGA determinado com a caça, eu e meu amigo íamos conversando sobre besteiras e rindo de tudo que víamos. Eventualmente fomos recolhendo alguns cogumelos como brindes.

- Olha bee, como vamos chamar esse cogumelo, vamos abrasileirar esse nome cientifico. - Eu Ria

- NeCongulemon - Derek dizia

- BERROOO – Minha gargalhada ecoava pela floresta.

Enquanto estávamos na caça, o marido do meu amigo dizia que ele já havia visitado a área, disse que eles haviam feito acampamento com uns amigos do serviço, e que ficaram sabendo dessa tour de caça aos cogumelos lá.

- OS PIORES DIAS DA MINHA VIDA – Derek dizia

- Por que fia ? – Eu estava atenta.

- Ain fia, ficamos num AIRBNB babado esses dias aqui perto, a dona é uma sapatão bruxa das montanhas e a decoração é toda macabra, é fada pra tudo quanto é lado.

Eu como mística louca por histórias assombradas queria saber mais

- FALA MAISSS.

- Então, na casa tem um livro na mesa de centro da sala, onde as pessoas que se hospedam contam relatos sobre o local e a experiência da estadia. E.. ai, só tem relato sinistro, gente conversando com animais, vendo duendes, interagindo com fadas.

Eu gritei, dei um brado retumbante com aquilo, gargalhei muito.

- É SÉRIO RAPHA - Derek insistia

- Ai bicha, deve ser trote do pessoal. Não deve ser nada demais.

- Sei lá, os relatos pareciam muito sinceros... as pinturas e figuras espalhadas pela casa... ai, pesado.

O assunto parou por si, más eu ria a cada 5 min lembrando da história.

- Nossa que fome – Reclamei - Cadê nosso lanchinho ?

- Ai caralho, ficou no carro. - Derek dizia

- Nossa, mentira que estamos no cú da floresta sem recursos ou alimento ? Vou ter que comer a senhora. – Eu ria. - Aff, que inferno bicha, que caralho de floresta que não tem uma macieira, um pé de jaca, NADA.

- Calma viado, mais pra frente tem um restaurante, aqui não é o no Limite Não.

- Da um cogumelinho desse então pra eu fazer uma boquinha

- A sra ta louca, bicha ? – Isso não pode comer não, deve ser venenoso.

- Meu amô, se fosse perigoso eles não iam pedir pra gente caçar eles, me da o Necongumelo aqui.

- Bicha NÃO – Derek se preocupava.

- Me passa isso aqui, caralho - To falando que é de boas, como isso na minha pizza quase todo fim de semana, eu reconheço um cogumelo venenoso. - Eu dizia.

Pois COMI o necongumelo, tinha gosto similar de queijo brie, e eu ODEIO queijo brie, más a fome falou mais alto. Meia hora depois eu comecei a ficar excitada, tipo, MUITO excitada, eu andava alisando meus mamilos.

- Que porra é essa ? a sra ta se masturbando ?

- Ain, mim deixa - Resmunguei

- Você ta bem Rapha ? Você ta andando cambaleando ?

- Nunca estive melhor, aliás, essas arvores estão com umas cores vibrantes, né ?

- Viado, a sra ta louquíssima, não tem nada vibrante, as mesmas cores bundas pra todo lado. Tem certeza que a sra não ta tendo algum barato por contado cogumelo.

- Bicha.... basta... – Cortei o assunto – Quero mijar, vou na moitinha ali atrás.

- Você ta bem, mesmo ? A sra ta andando torta.

- Torta é meu cú, caralho. To falando que to bem.

Más eu não estava não, as arvores pareciam dançar e tudo tinha uma cor super vibrante, eu podia jurar que estava vendo pontinhos de luzes douradas pra todo lado. Pois escolhi uma arvore larga afastada dos meus amigos e fiquei pelada da cintura pra baixo pra fazer xixi, eu tava doidona más não a ponto de arriscar molhar minha calça e tênis de xixi.

Após meu longo xixizinho, peguei uma folhinha e me sequei, más o contato da minha mão na minha vulva me lembrou que eu tava com tesão e meu clitóris queria ser acariciado, pensei, to com tanto tesão que vou bater uma siririca aqui mesmo, e assim o fiz, agachada no mato eu comecei a me masturbar e meu corpo estava todo quente, parecia que meu corpo inteiro era um clitóris gigante de tão sensível, eu deslizava uma mão sobre a outra e parecia que eu sentia uma eletricidade percorrer cada canto de mim, decidi tirar toda a minha roupa e ficar pelada e rolar pela grama, eu estava em chamas, e comecei a me apagar, eu rolava em círculos, circulava meu pescoço, rodando a minha cabeça pra um lado e para o outro, eu gemia alto, alisava meus mamilos e depois meu clitóris, minha respiração estava ofegante e eu só queria gozar, gozar intensamente, gozar bem gostoso.

Foi quando o surreal aconteceu, senti um bater de asas rápido perto da minha orelha, achei que fosse uma abelha, ou um beija-flor, e acabei batendo na minha orelha instintivamente, e senti uma vozinha fina falar

- Ai caralho, você quer me matar ?

Eu fiquei em choque, não conseguia acreditar, eu via uma mini mulher nua com asinhas.

- Quem ? Quem é você ?

- Meu nome é vulvix, sua fada madrinha do prazer. Eu senti seu desespero e anseio pelo orgasmo e vim aqui realizar o seu desejo.

- Como assim gente ? O que é isso ? Isso é um jogo ? onde estão as câmeras? Como isso é possível ?

- A grande amada deusa Gaia escolheu essa floresta como fonte de energia mística, aqui é onde nós, seres mágicos da natureza vivemos, e raramente nos conectamos com humanos, porque é necessário muito tesão para que eles nos vejam. Esse tesão todo que você está sentindo Rapha, é sua energia entrando em combustão com esta floresta.

- Você realiza desejos, Vulvix ?

- Não exatamente, más o que você gostaria ?

- Eu quero gozar, SOCORRO, EU QUERO GOZAR. – Eu dizia fechando meus olhos percorrendo meu corpo com minhas mãos.

- É pra já !!

Nesse momento Vulvix aumentou seu tamanho e alcançou uma proporção humana, más suas asas ainda estavam la, e então ela me puxou para um beijo delicioso, nossos seios se encontraram por conta da aproximação, e era como se a eletricidade duplicasse, era como se eu sentisse, a eletricidade do corpo dela também, era muita loucura, nossas línguas dançavam, e ela era macia, deliciosa, com gosto de cerejas.

Suas mãos exploravam meu corpo, ela puxava minha bunda contra a sua xana e nossas bucetas se roçavam, abri minhas pernas e me encaixei nas dela para que meu grelo roçasse na coxa dela, e ela enfiava um dedo no meu cú, minha xana piscava, mordia a coxa dela, que já ficava molhada de suor e pelos meus sucos vaginais, eu queria sentir o gosto dela também, então chupei os seios dela, a cada lambida que eu dava eu sentia o reflexo em meu seio, o que eu fazia, eu sentia em meu corpo, más ela também sentia.

- Por Gaia, Vulvix, o que é isso ? Parece que sinto em mim tudo o que eu faço em você ?

- Sim Rapha, é a magia do sexo das fadas. – Sua voz agora havia mudado por conta do seu tamanho.

- Que delícia !! – Disse empolgadíssima.

Empurrei Vulvix para a grama e abri as pernas e a boceta dela, aquele bocetão lindo, como amo um bocetão gostoso, mergulhei minha cara na vulva dela e ela gemeu alto, más eu também gemi, porque era como se eu sentisse minha própria língua me chupando. Nunca me dediquei tanto a um oral como naquele, eu lambia o grelinho de diamante dela e metia a língua em todo o resto, ela tinha um gosto delicioso, era como pele e frutas vermelhas, não sei explicar, sei que era bom, e sei que eu pulsava com a sensação sendo duplicada e transferida pra mim, eu já estava dilatadíssima, pulsando, pedindo pra ser dedada. Então pedi.

- Vulvix, SAFADA madrinha, vem FADA essa boceta.

Vulvix riu do jogo de palavras e jogou o corpo sobre o meu, ficando por cima de mim. Ela me encarava com seu rosto angelical, as íris dos seus olhos eram cor de rosa e eu podia ver suas asas de borboleta por trás de seu corpo, que ser lindo. Ela deu um sorrisinho safado e abriu minhas pernas caindo de boca em mim, gritei de prazer, ela lambia meu clitóris, penetrava minha buceta com uma mão e enfiava um dedinho no meu cú com a outra, era muito prazer acumulado, eu sentia minha energia vibrar pelo meu corpo, eu via meu corpo se tornar dourado, era como se a energia dentro de mim se materializasse em uma aura, era tipo um vaporzão dourado, meus pés se contorciam, meus mamilos se enrijeciam, eu estava tão molhada que eu sentia o barulho do atrito dos dedos de Vulvix contra minha xana, de repente dois braços surgiram por trás do meu pescoço indo em direção aos meus seios.

- O QUE ISSO ? – Encarei assustada.

Outra Vulvix estava surgindo atrás de mim, me olhando de ponta cabeça.

- É maravilhoso Rapha, não é ?

- O que ? – Eu mal conseguia prestar atenção na Vulvix 2.

- Olha sua energia transbordando, sua energia está alimentando as arvores, a grama, as flores.

Eu olhei ao redor e vi algumas flores desabrocharem, e minha energia dourada agora alcançava a área toda.

- Assim que você explodir, sua energia fará parte dessa floresta, estaremos sempre conectadas. Exploda Rapha, exploda.

Vulvix 2 queria que eu gozasse, e eu estava quase lá, como um vulcão em erupção. Ela havia se duplicado para me dar o dobro de prazer, enquanto ela me chupava e fodia minha buceta estando entre as minhas pernas, ela também estava atrás de mim, acariciando meus seios e sussurrando em meus ouvidos, com aquela voz delicada.

- Goza – ela pediu.

E eu senti algo forte vindo de dentro de mim, eu ia explodir ali mesmo, sobre a boca de Vulvix 1.

- GOZAA – Ela insistia

- AAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHH – Desaguei, dei um gemido alto e longo, senti minha aura dourada explodir e formar um círculo percorrendo a distância na floresta, e em seguida cai exausta, apenas me lembro de ter ouvido a voz de Vulvix ecoar pelo ar dizendo

- Obrigada- ada- ada-ada.

Adormeci...

Fui acordada com Derek me chacoalhando e gritando.

- BICHA ACORDA, A SRA TA MUITO LOUCA, VAMO EMBORA AGORA

- O que é, que isso, me larga, é o que que what’s going on ?

- Viado, você ta pelada no meio do mato, a sra demorou muito e vim procurar você, dai escutei um gemidão e quando fui ver era você aqui no meio do mato.

- Eu estava me conectando com a floresta.

- A sra ta proibida de comer cogumelo - ele dizia.

Enfim, ninguém acreditou na minha experiência, fui tirada de doida, eu acredito que o necongumelon, me conectou com a floresta, e trocamos energia através do sexo, a floresta se materializou em forma de fada, a Vulvix, e agora entendo o porque da sapatão bruxa ser viciada em fadas, ela certamente também encontou a Vulvix, a safada madrinha. Voltei pro Brasil pensando nessa experiência, más logo mais eu volto, e dessa vez vou me hospedar no airbnb que o Derek me falou, e se eu encontrar a Vulvix, volto aqui pra contar como foi. Me desejem sorte amadas.

 

Que tal seguir o nosso podcast e receber notificações a cada nova publicação? Assine o nosso canal no Spotify, ITunes ou Google Play, é grátis! Clique no ícone abaixo para assinar.

 

 

Que tal uns mimos?

3 comentários

  • Postado em por Vampira

    Preciso comprar um passagem para esse lugar tb

  • Postado em por Vampira

    Que delícia de texto ,..,

  • Postado em por Erva Aninha
    Espero encontrar um cogumelo desses e uma safada madrinha também.AMEI fiquei super excitada

Deixe um comentário

Todos comentários são verificados antes da publicação